30 de junho de 2022
Foto:
09/03/2022 09:14
Mahilde Alves de Lima Chama
Sessão Solene

Mahilde Alves de Lima Chama

Sua história iniciou na Fazenda Lima, onde nasceu em 18 de abril de 1931, filha de Ricardo Parreira Pinho e Mariana Alves de Lima. Sua infância na zona rural lhe rendia muitas brincadeiras com bonecas feitas de sabugo de milho e retalhos de tecidos que não serviam mais. A necessidade de estudo na adolescência levou a família a tomar a decisão de mudar para a cidade de Aparecida do Taboado, Mahilde sempre disposta a ajudar sua mãe, passou a vender pães e biscoitos caseiros feitos por Mariana.

Casou-se com João Chama, mascate cuja descendência é libanesa, e logo vieram a progredir como comerciantes, teve de seu casamento duas filhas, Salma e Bety.

Seu marido tornou-se um homem próspero e sempre generoso com os mais necessitados entrando para a vida pública, Mahilde assim sempre acompanhou com amor e dedicação as causas de João Chama, causas essas que se tornaram suas também.

Foi primeira dama em 1963 a 1966, num governo altamente popular, levando seu marido para uma ascensão fora das cercas e muros da até então pequena Aparecida do Taboado, elegendo-o deputado em 1966, com o advento da Ditadura João Chama teve em 1967 seus direitos cassados por ser considerado, popular demais, um grande agitador.

Passando o período da repressão, João Chama volta à Prefeitura de Aparecia do Taboado, num mandato de 1983 à 1988 e foi neste mandato que Mahilde Chama realizou um dos maiores trabalhos sociais do município.

Frente a LBA, a prioridade era formação de mulheres adolescentes e adultas que careciam de uma renda, dentro da própria estrutura recebiam aulas gratuitas de corte e costura, crochê, tricô e pinturas em panos de pratos. As gestantes recebiam aulas e confeccionavam gratuitamente todo o enxoval do seu próprio bebê, após o nascimento, a criança também recebia de 0 a 5 anos de idade, o leite.

Sua gestão como primeira dama é lembrada com saudosismo por todos daquela época, principalmente as famílias mais pobres.

Mahilde Chama foi acometida por um AVC no último ano do mandato, ficando com algumas sequelas irreparáveis, mas sempre esteve rodeada de amigos, suas filhas, genros e netos, além de seus irmãos e sobrinhos. Deixou esta terra cumprindo sua missão.

Texto/Fonte: