19 de agosto de 2022
Foto:
19/09/2018 11:44
Prefeito e responsáveis pela saúde atendem convocação dos vereadores e comparecem à Câmara
Sessão Ordinária

Prefeito e responsáveis pela saúde atendem convocação dos vereadores e comparecem à Câmara

Na sessão ordinária realizada no dia 17 de setembro de 2018, atendendo solicitação através de requerimento de autoria do vereador Pastor Ronaldo Néris de Jesus, aprovado por maioria simples, o prefeito Robinho Samara, acompanhado do secretário de Saúde Márcio Galdino, do diretor da FESAT Marcos Pires e do Assessor Jurídico Paulo Santana, compareceram à Câmara de Vereadores para darem esclarecimentos referentes à saúde pública.

Por meio do Requerimento, o vereador Pastor Ronaldo Néris, solicitou a convocação para que fossem respondidos os seguintes assuntos: déficit nas contas da Fundação Estatal de Saúde de Aparecida do Taboado – FESAT, vinculada à Secretaria Municipal de Saúde e por esta supervisionada, e que desempenha ações e serviços de assistência hospitalar no âmbito do Sistema Único de Saúde– SUS; - atraso no pagamento dos profissionais da área médica; - deficiência no atendimento aos pacientes, em especial às gestantes do município.

Disse o vereador que as reclamações com relação ao atendimento no setor da saúde pública são constantes e a população, mormente a mais carente, que depende desta assistência está sofrendo muito e entendemos que providências devem ser adotadas com urgência, objetivando melhorar a assistência prestada.

O vereador citou ainda, que as reclamações no atendimento, em especial às gestantes, são veiculadas com frequência, como também o atraso no pagamento aos profissionais da área médica.

Prefeito Robinho diz que dobrou os recursos repassados à FESAT

Usando a palavra, após os cumprimentos de praxe, o prefeito Robinho disse que gostaria de receber um requerimento para ver o que está realizando no setor de saúde, “dobramos os recursos que são repassados à FESAT. Peço ao vereador Ronaldo que dê os nomes de quem está sendo mal atendido, e também, de quem está atendendo mal na saúde. Veja a saúde de toda a região, para depois criticar o setor em nossa cidade. Estamos vivendo uma grande crise em todo o Brasil, não só em Aparecida do Taboado”, comentou.

Já o secretário Márcio declarou que sempre trabalhou de maneira honesta e transparente, atendendo a todos com portas abertas. “Olhe a saúde de nosso País, estamos vivendo um grande caos”.

O Diretor da FESAT Marcos Pires disse que a Fundação está trabalhando com dívida e que isso vem ocorrendo no setor, em todo o País. “Temos dificuldades sim, mas estamos contornando e fazendo o possível para atender bem os pacientes”.

Vereadores questionam Executivo a respeito de dívida e atendimentos

O vereador Véião questionou a administração, dizendo que algo precisa ser feito para zerar o déficit, palpitando em realizar um financiamento se preciso for.

Também questionou sobre o aparelho de ultrassom que foi adquirido pelo município e só funciona duas meses por mês, isto é de 15 em 15 dias. “Contrate um profissional para atender pelo menos 3 vezes por semana”, disse.

Quanto aos partos, perguntou o que será feito para bem atender as gestantes. “Nossas crianças não podem continuar nascendo em outras cidades”, declarou.

Respondendo o vereador, o secretário de Saúde Marcio Galdino disse que a respeito do aparelho de ultrassom, o mesmo está atendendo as gestantes quinzenalmente, não tendo que se deslocarem para outras cidades. “Mas me comprometo em fazer o melhor para utilizar este aparelho mais vezes”, disse.

A respeito da frequência de um obstetra regularmente, Márcio falou que já foi contratada a Drª Maria Tereza, o que está tendo um pouco de dificuldade é quanto a pediatria. “Mas estamos fazendo de tudo para colocar a questão dos partos em dia, inclusive, cito aqui que no ano de 2017 ocorreram 230 partos e até agora em 2018 já foram realizados 112”, comentou.

O Vereador Pastor Ronaldo Néris, em seu pronunciamento questionou sobre a utilização ou não do CNPJ da Santa Casa e a conta bancária da mesma. “O município realizou contratação com o referido CNPJ, após a intervenção? O município acatou a orientação do Ministério Público Federal, para colocar em atividade o Hospital Municipal Nossa Senhora Aparecida? O município possui médicos concursados, contratados, quais são? As questões são crônicas e não podemos generalizar, dizendo que vem acontecendo tudo isso no País. Estamos questionando Aparecida do Taboado e não o resto do País. Hoje a dívida está beirando um milhão e trezentos mil reais e quem pagará esta conta?”, perguntou o vereador pastor Ronaldo, estas, e outras questões.

Respondendo este questionamento, o advogado Paulo Santana disse que o prefeito e seus assessores estão na Câmara para responder as questões que estão no requerimento e até o momento o vereador Pastor Ronaldo Néris não citou nada referente ao requerimento. “Para trazer as respostas aqui das perguntas realizadas pelo Senhor, as quais estão fora da pauta, precisaremos de algum tempo”, falou.

“Enalteço aqui a fala do vereador Véião quanto a se colocar a disposição para solucionar a questão do déficit. Poderia segundo o diretor Marcos Pires reduzir o atendimento no Hospital somente a urgência e emergência e não ambulatorial, mas isto o prefeito não quer que aconteça.

Paulo Santana disse que em relação à Santa Casa/FESAT, quando ocorreu a intervenção, o prefeito Robinho foi obrigado a quitar uma dívida que havia de mais ou menos um milhão e duzentos mil reais e nem por isso, denunciou ou criminalizou os administradores anteriores.

Falou o advogado que o município repassa mensalmente para a FESAT, R$ 315.000,00, o Estado R$ 79.990,00 e a Federação R$ 75.000,00, “mas destacamos aqui que o Estado já ficou até três meses sem realizar o repasse. O déficit existe, mas estamos realizando uma análise apurada, para ver como serão feitos os pagamentos. O prefeito sabe que ele precisa pagar e isso será feito. A respeito da melhoria no atendimento aos pacientes, isso se faz com treinamentos e aumento de salários dos servidores, mas em meio a tanta crise, a administração precisa achar uma solução, pois os recursos são poucos para o atendimento, como realizar treinamento e dar aumento salarial?”, perguntou.

“O que precisamos realizar é cortar gastos porque senão as contas não fecham, pois só os remédios aumentaram 70%. E agressão verbal e política não resolve nada”, finalizou.

O diretor da FESAT Marcos disse que a Fundação nunca usou CNPJ da Santa Casa e referente a contratação de médicos, foi feito um concurso e os médicos aprovados não quiseram assumir os cargos.

Para o secretário de Saúde Márcio Galdino “fazer gestão com recursos em caixa é muito bom, mas seria uma utopia achar que atendendo mais de 3.600 pessoas por mês, 120/dia, não teria nenhum problema”, falou.

O parlamentar Moyses Chama questionou dizendo que “o Ministério Público pediu que reativasse o Hospital Municipal, porque insistem em FESAT. E também porque não se tem acesso às prestações de contas da FESAT no Portal da Transparência?”, perguntou.

Respondendo, o advogado Paulo Santana falou que o questionamento do Ministério Público é a respeito de transferir todos os serviços da saúde, mas que foram transferidos apenas os serviços médicos/hospitalares. “Aquilo que o Ministério Público está apontando não é o que foi feito e referente a esse processo, o mesmo está parado”, comentou.

Já a respeito das contas no Portal da Transparência, o secretário Márcio Galdino falou que está tomando providências para que este serviços seja realizado o mais breve.

O Parlamentar José Natan questionou a necessidade de melhoria no atendimento hospitalar. Que os servidores trabalham sem ter o recolhimento do FGTS em dia e referente as especialidades médicas que não funcionam.

Para responder o vereador, o secretário Márcio Galdino disse que o prefeito tem trabalhado muito para melhorar a quantidade e qualidade no atendimento. Referindo-se ao tempo que demora para transferência de um paciente, a maioria das vezes é pela falta de vaga oferecida pelo estado.

“Quanto ao FGTS, estamos realizando parcelamentos, mas preferimos que tenha o necessário para um bom atendimento, como é o caso dos medicamentos que nunca faltaram. Nunca aconteceu de qualquer servidor perder seu FGTS. Se a FESAT falir a administração terá que se responsabilizar pelos servidores”, disse o diretor Marcos Pires.

“A respeito das especialidades médicas, já temos contratados a Drª Maria Tereza (Obstetra) e o Dr. Ronaldo Miziara (Ortopedista)”, disse Marcio Galdino.

Finalizando as perguntas, o vereador Marcelo Fagundes, questionou se teria como contratar um profissional para atender diariamente os exames de ultrassom. Se já tem planejamento para resolver o setor de mamografia, com reveladora digital e também a respeito das cirurgias que eram realizadas quando tinha no município o atendimento dos médicos Dr. Valdenício e Drª Fernanda, além da volta dos dois médicos plantonistas no pronto socorro.

Em resposta o vereador ouviu que, quanto a mamografia, nada impede de que a revelação seja química. O trabalho para contratar um profissional para o ultrassom está em andamento. E referente às cirurgias, os médicos que realizavam as mesmas não foram exonerados, eles é que pediram para sair, mas as pequenas intervenções cirúrgicas continuam sendo feitas pelo Dr. José Bento.

 

Texto/Fonte: